Gazeta do Povo

Lugar de vinho é na adega

Além de proteger a natureza da bebida, o móvel pode ser uma boa forma de aproveitar pequenos espaços

A adega integrada ao escritório é um projeto da Lacava Adegas Personalizadas em parceria com a arquiteta Laline Bittencourt

A adega integrada ao escritório é um projeto da Lacava Adegas Personalizadas em parceria com a arquiteta Laline Bittencourt

Armário em metal com portas de correr. Na Desmobilia, R$ 3,4 mil

O projeto da arquiteta Flora Bittencourt Detanico cria um ambiente próprio para armazenar os vinhos e, ao mesmo tempo, a coloca na sala de estar

Por se tratar de uma bebida em constante mudança, os vinhos devem estar sempre em uma mesma temperatura, com uma inclinação adequada e longe de vibração e ruídos. Uma boa adega virou sonho de consumo entre os amantes do vinho e para os que gostam de espaços bonitos e bem aproveitados. A arquiteta Flora Bittencourt Detanico, da Lacava Adegas Personalizadas em Porto Alegre, acredita que cada vez mais as pessoas buscam fazer das adegas – além de um local para armazenar os vinhos – um toque a mais na decoração do ambiente. “A adega é cada vez mais explorada pelo caráter decorativo, além do funcional”, acredita.

Como os apartamentos estão cada vez menores, poucas pessoas dispõem de um cômodo inteiro para transformar em uma adega, mas a solução pode estar em pequenos espaços, de até 1×1 metro, seja na sala ou cozinha. “Aproveitar esses cantinhos é cada vez mais comum e, consegue-se criar ambientes para os rótulos. Muitas vezes um armário climatizado é uma ótima solução”, afirma a arquiteta.

Mais rótulos

Para espaços maiores, há até a opção de sistema de elevadores, como na “elevadega” do restaurante indiano Swadisht, em Curitiba, que permite o armazenamento de mais de 280 rótulos. O funcionamento por elevadores permite que o mâitre e o cliente passeiem pelo ambiente para escolher o vinho desejado. De acordo com a arquiteta responsável pelo projeto, Fernanda Rocha Loures Joung, a principal inspiração para a adega foi a inovação. “O diferencial foi fazer algo que ninguém tivesse”, comenta. A adega, que é feita com cedro-rosa, metal e vidros, é um dos destaques da decoração.

Existem também as geladeiras industrializadas, que são compradas prontas, e as adegas sob medida, que costumam funcionar melhor com o caráter decorativo do espaço. Nesse caso, elas podem ser feitas com diversos materiais – vidro, madeira, laca, e até aço inox, que reforçam o caráter moderno do ambiente.

Custo

O preço de instalação depende do material utilizado e do número de garrafas acondicionadas. As adegas sob medida para uma média de 80 garrafas custam entre R$ 20 mil e R$ 40 mil, mas, se tratando de espaços maiores, “o céu é o limite”, comenta a arquiteta Flora Detanico. “Tudo depende do gosto, tanto pela decoração, quanto pelo vinho”, completa.

O jeito certo de armazenar

Vinhos são substâncias vivas e sensíveis ao que acontece à sua volta. Por isso, a forma de armazená-los é extremamente importante, de acordo com a enóloga Sônia Petri. “Um vinho mal guardado tem envelhecimento precoce e pode estragar”, diz. Por isso, as garrafas não devem ser movimentadas nem estar em ambientes em que sofram com a vibração. A arquiteta Flora Detanico não recomenda, por exemplo, aproveitar o espaço embaixo da escada para fazer uma adega, devido à vibração que pode ser prejudicial ao vinho. Outro cuidado na hora do armazenamento é a inclinação das garrafas, que, segundo a enóloga, devem estar sempre deitadas, para que a rolha fique constantemente úmida.

A temperatura do ambiente também é essencial para a conservação dos rótulos. Para vinhos tintos, a temperatura deve estar sempre entre 10°C e 16°C. Sônia afirma que a variação térmica colabora para a oxidação dos vinhos. É indispensável que a adega seja refrigerada – principalmente em cidades com grande amplitude térmica. O sistema de refrigeração é parecido com o de um ar condicionado split, mas com mais potência, explica a arquiteta.

1 2 3 4